WME lança iniciativa para incentivar equidade de gênero na música

A plataforma WME lançou recentemente o selo IGUAL, que tem como objetivo equalizar line-ups e equipes de eventos musicais no país.

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

publicidade

O selo IGUAL convida festas, festivais, clubs e casas de shows a ter pelo menos metade de seu staff composto por profissionais femininas, pessoas não-binárias ou trans.

WME
WME lança iniciativa para incentivar equidade de gênero na música (Imagem: Divulgação)
publicidade

E para começar com o “pé direito” o selo IGUAL já conta om grandes parceiros da cena musical como Bananada, Sim São Paulo, Sarará, Heavy House, Rasgum, Balaclava e Coquetel Motolov.

 

“A iniciativa é inspirada na organização Keychange, um selo global que trabalha com a certificação de eventos musicais em 12 países e é responsável por importantes dados, como a porcentagem de mulheres no chart top 100 da Billboard (no qual apenas 20% são mulheres) e que os homens representam 95% da força de trabalho nas maiores orquestras do mundo”.

Fonte: Portalpopline.com

publicidade

Os organizadores de eventos e marcas que desejam ter o novo solo, precisam preencher um formulário na landing page do projeto, informando todos os dados solicitados pelo sistema.

Essa landing page estará disponível apenas a partir do dia 20 de outubro. Lá, é onde estarão todas as informações referentes as equipes de trabalho, por exemplo.

Cabe lmebrar que ainda este ano, muito provavelmente no mês de dezembro, novas adições ao selo IGUAL serão anunciadas. O anúncio está previsto para ser feito durante o WME Awards by Music2!

publicidade

O WME Awards by Music2! quinta edição, está marcado para acontecer no dia 16 de dezembro, ao vivo pelo canal TNT.

À cada nova edição, novos parceiros do selo são anunciados durante a cerimônia e nesta não será diferente.

publicidade

“Graças a diversas iniciativas como o WME, podemos ver que as mulheres têm tido cada vez mais espaço em projetos musicais, mas, mesmo assim, ainda falta muito para chegarmos à igualdade de gênero no setor”, conta Claudia Assef.

Monique Dardenne também fala sobre o importante selo: “Criamos o selo IGUAL para exaltar as empresas ligadas à música que realmente estão junto com a gente nessa luta”.

O que você achou? Siga @mixmebrasil no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

Layne Bispo é formada em Administração pelo Centro Universitário UNIFG. Atua com produção de conteúdo para web há 5 anos e possui experiência nos nichos de entretenimento, educação, finanças e automobilismo. Atualmente dedica-se a redação do portal Mix Me, produzindo news sobre o mundo da música e cultura pop de um modo geral.

Veja mais ›
Fechar