Pocah revela lado MPB em projeto acústico; conheça

A fim de mostrar sua versatilidade musical, a funkeira Pocah resolveu dar início um projeto acústico de covers de MPB em seu perfil do Instagram. Nesta segunda-feira (25), a artista divulgou o primeiro vídeo da proposta.

publicidade
Pocah (Reprodução)
Pocah (Reprodução)

Na publicação, Pocah apareceu sentada em um estúdio cantando a música “Dizeres”, de Lourena e Sant. Segundo a cantora, a canção é especial para ela por sua simplicidade em retratar o amor cotidiano.

publicidade

“Se você parar pra ouvir ‘Dizeres’ vai entender porque é uma música especial. Músicas especiais são como esta: são simples, cotidianas e tem a letra direto ao ponto: neste caso é amor sem medo de se expor”, disse a ex-BBB que ainda vai lançar covers de Caetano, Cassia Eller e Cazuza.

Conforme a artista, a ideia para fazer o projeto surgiu após ela gravar sua participação no prêmio Sim À Igualdade Racial do Instituto IDBR. Na ocasião, a artista interpretou a música “Olhos Coloridos”, de Sandra de Sá.

publicidade

“É um presente para meus fãs e também para mim. São músicas especiais na minha vida que sempre quis interpretar”, afirma.

 

View this post on Instagram

 

Uma publicação compartilhada por POCAH (@pocah)

publicidade

Pocah fala sobre bissexualidade

Uma das representantes da comunidade LGBTQ+ dentro do funk, a cantora Pocah recentemente comentou sobre o preconceito que sofre por conta de sua bissexualidade. Em entrevista ao jornal Estadão, a artista relembrou como foi descobrir sua sexualidade ainda na adolescência.

“Por volta dos meus 14 anos, me chamou a atenção eu sentir mais atração por meninas do que por meninos. E no meu ciclo de amizade, as amigas sempre ficavam com garotos e eu ficava ali, né, de vela, sobrando, e não queria ficar com ninguém”, afirmou a artista.

A cantora ainda destacou que por muito tempo se sentiu oprimida por conta de questões familiares que envolviam religião, além dos julgamentos fora de casa.

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

publicidade

“Ainda tinha a questão da minha família, que é evangélica, e também da minha fé. Isso me dava um certo medo de dividir o que eu estava sentindo e eles não entenderem. Nessa época eu simplesmente guardei o que estava sentindo e adiei essa vivência”, afirmou ela.

O que você achou? Siga @mixmebrasil no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

Formado em jornalismo pela UNIME Salvador, possui passagem por rádio, jornal e trabalha com público de internet desde 2016. Atualmente tem focado em projetos de audiovisual, cultura pop e celebridades.

Veja mais ›
Fechar