Brasileiras presas injustamente fazem desabafo forte e entregam detalhes do sofrimento

Após ter malas trocadas por drogas, brasileiras são presas na Alemanha
Brasileiras são presas injustamente na Alemanha (Montagem: Reprodução)

Brasileiras presas injustamente fazem desabafo forte e entregam detalhes do sofrimento

As brasileiras Jeanne Paollini e Kátyna Baía, que foram presas na Alemanha após terem as malas trocadas por bagagens com droga, chegaram ao Brasil nesta última sexta-feira (14). A informação foi confirmada ao portal g1por Lorena Baía, irmã de Kátyna. Questionada sobre como foi o voo, Lorena desabafou. “O voo foi tranquilo! Choramos por diversas vezes, mas foi um choro de alegria, alívio e gratidão!”, falou.

A prisão na Alemanha

As goianas Jeanne Paolline e Kátyna Baía tinham o sonho de conhecer a Europa e planejaram viajar por 20 dias no continente. O objetivo de desembarcar em Berlim, capital da Alemanha, e conhecer a Bélgica e a República Tcheca se tornou em pesadelo, após serem presas no dia 5 de março por tráfico internacional de drogas na Alemanha. A irmã de Kátyna contou que as brasileiras planejaram a viagem com antecedência para celebrar um novo momento da vida profissional dela.

A prisão do casal em Frankfurt, a última conexão que faria antes de Berlim, motivou uma operação da Polícia Federal para descobrir o que aconteceu com as malas que foram despachadas em Goiânia e nunca chegaram ao país europeu. Em Frankfurt, a polícia apreendeu no bagageiro do avião duas malas com 20kg de cocaína cada, etiquetadas com os nomes de Jeanne e Kátyna. A prisão aconteceu na fila de embarque da escala, sem que elas pudessem ter visto as malas.

O relato das brasileiras

Durante o período que ficaram presas (38 dias), a família teve muita dificuldade em entrar em contato com as brasileiras. Uma forma que elas encontraram de compartilhar o seu cotidiano na prisão, foi por meio de cartas. Em uma das cartas enviada para a irmã Lorena, Kátyna relatou que: “Ficamos umas quatro horas algemadas pelos pés e pelas mãos, como criminosas. Fomos obrigadas a entregar todos nossos pertences. Passamos por revista íntima, fomos humilhadas”, escreveu Kátyna Baía.

Nesta última semana, as brasileiras também conseguiram enviar áudios para as famílias. O repórter Honório Jacometto, da TV Anhanguera, teve acesso às gravações. Em um dos trechos, Jeanne Paollini relatou momentos de terror, como a separação das duas, e a forma que foram tratadas desde a audiência: “Pela manhã nós fomos para uma audiência com um juiz e sempre algemadas, acorrentadas pelos pés. Eu não tinha contato com a Kátyna e instantaneamente o juiz já decretou nossa prisão”, relatou.

A Kátyna Baía também desabafou e definiu o que estão vivendo como devastador. Para ela, acordar todos os dias na prisão é uma tristeza profunda. Segundo a brasileira, ela faz uso de remédios contínuos, que foram tirados. Dessa forma, além do desgaste psicológico, é uma batalha diária manter a saúde. Para piorar a situação, o casal contou que conviviam diariamente com “assassinas e incendiárias”.

Siga-nos nas nossas redes sociais e não perca nenhuma novidade em primeira mão!

Temos uma super novidade! Agora também lançamos um canal incrível no YouTube, recheado de entrevistas e bate-papos exclusivos para os nossos seguidores.

Clique aqui e aperte o botão " Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

Quer ficar por dentro de tudo em primeira mão? Junte-se ao nosso canal do MixMe no WhatsApp e mergulhe no mundo do entretenimento 24 horas por dia! Participe e compartilhe as nossas notícias!