Alzheimer: O que é, sintomas, causas e fases.

Hoje, falaremos sobre uma doença que tem afetado milhões de pessoas no mundo, o Alzheimer. O Alzheimer é uma doença neurodegenerativa progressiva e incurável que afeta principalmente a memória, o pensamento e o comportamento de uma pessoa.

É a forma mais comum de demência e representa um desafio crescente para a saúde pública em todo o mundo. Neste artigo, exploraremos em detalhes o que é o Alzheimer, seus sintomas, causas, estágios e fases, a fim de fornecer uma compreensão abrangente dessa condição debilitante e opções de tratamento para a doença.

Alzheimer
Alzheimer (Foto: Reprodução/Internet)

O que é o Alzheimer?

O Alzheimer é uma doença cerebral que danifica e destrói gradualmente as células nervosas, afetando a comunicação entre elas. Essa deterioração progressiva resulta em sintomas cognitivos e comportamentais, que pioram ao longo do tempo. O Alzheimer foi descrito pela primeira vez pelo médico alemão Alois Alzheimer em 1906 e, desde então, tem sido objeto de intensa pesquisa.

Desse modo, agora que sabemos ao certo o que é o Alzheimer, iremos nos aprofundar nos sintomas do Alzheimer, quais são os traços que o paciente apresenta ao ter a doença.

Sintomas do Alzheimer

Os sintomas do Alzheimer variam de acordo com o estágio da doença. No início, os sinais podem ser sutis, mas à medida que a doença progride, eles se tornam mais evidentes.

Veja abaixo, quais são os sintomas da doença:

Perda de memória

Conforme já mencionado anteriormente, o Alzheimer é uma forma de demência que afeta a função cognitiva, incluindo a memória, o pensamento e o raciocínio. À medida que a doença progride, a capacidade de lembrar informações recentes e passadas diminui gradualmente, causando frustração e confusão tanto para a pessoa afetada quanto para seus entes queridos.

Nos estágios iniciais do Alzheimer, a perda de memória pode ser sutil e facilmente negligenciada. A pessoa pode começar a esquecer nomes, datas importantes ou eventos recentes. À medida que a doença avança, no entanto, a perda de memória se torna mais pronunciada. A pessoa pode esquecer detalhes importantes de sua vida, como o nome de um membro da família ou como realizar tarefas diárias básicas, como cozinhar ou se vestir.

Uma das principais características da perda de memória no Alzheimer é a dificuldade em formar novas memórias. Isso significa que a pessoa pode esquecer conversas recentes, compromissos ou até mesmo que acabou de comer uma refeição. A memória de curto prazo é afetada de forma significativa, enquanto as memórias antigas podem permanecer relativamente intactas por um período de tempo mais longo.

Além da perda de memória recente, o Alzheimer também pode afetar a memória episódica, que é responsável pela retenção de eventos passados e experiências pessoais.

As pessoas afetadas podem ter dificuldade em recordar eventos significativos de suas vidas, como casamentos, nascimentos ou viagens marcantes. Essas memórias são fundamentais para a identidade e a conexão com o passado, e sua perda pode causar uma sensação de desorientação e desconexão emocional.

À medida que a doença progride, a perda de memória se torna mais grave e generalizada. A pessoa pode não reconhecer membros da família ou amigos próximos, esquecer informações básicas sobre si mesma, como nome e idade, e até mesmo perder a noção de tempo e lugar.

Esses sintomas podem ser particularmente angustiantes tanto para a pessoa afetada quanto para seus entes queridos, já que a conexão com a realidade começa a se desvanecer.

Dificuldade de concentração

No Alzheimer, a medida que a doença progride, o indivíduo apresenta dificuldade em se concentrar e manter o foco em tarefas específicas.

No estágio inicial do Alzheimer, a dificuldade de concentração pode passar despercebida. A pessoa pode ter dificuldade em acompanhar conversas ou em manter o foco em uma leitura prolongada. Pequenos lapsos de atenção podem ser negligenciados, mas à medida que a doença avança, a dificuldade de concentração se torna mais evidente e problemática.

Conforme o Alzheimer progride, a capacidade de concentração diminui ainda mais. O indivíduo se distrai facilmente e tem dificuldade em realizar tarefas que exigem atenção contínua. Por exemplo, podem enfrentar problemas para cozinhar, pagar contas, resolver quebra-cabeças ou seguir instruções complexas. Além disso, têm dificuldade em manter o foco em conversas ou acompanhar histórias.

A dificuldade de concentração no Alzheimer não apenas afeta as tarefas diárias, mas também prejudica a participação em atividades sociais e interações. A pessoa tem dificuldade em acompanhar discussões em grupo, seguir o enredo de um filme ou lembrar-se do que foi dito.

Desorientação temporal e espacial

Os indivíduos com Alzheimer podem se perder em lugares familiares, ter dificuldade em se orientar no tempo (por exemplo, confundindo as estações do ano) e esquecer datas importantes.

A desorientação temporal refere-se à perda de noção do tempo, incluindo a incapacidade de lembrar a data atual, o dia da semana, o mês ou até mesmo o ano. A pessoa pode ficar confusa sobre a sequência correta de eventos e pode esquecer compromissos importantes ou ocasiões especiais. À medida que a doença avança, a desorientação temporal pode se agravar, resultando em uma completa perda da noção do tempo, onde a pessoa pode não conseguir distinguir entre o passado e o presente.

A desorientação espacial envolve a dificuldade em se localizar em relação ao ambiente físico. A pessoa pode se perder em lugares familiares, ter dificuldade em encontrar o caminho de volta para casa ou até mesmo esquecer onde está em um determinado momento.

Essa desorientação pode ser particularmente angustiante e desorientadora, pois afeta a capacidade de se sentir seguro e familiarizado com o entorno.

Além disso, a desorientação espacial pode levar a problemas de navegação, como dificuldade em seguir direções ou em compreender mapas simples. A pessoa pode ter dificuldade em realizar atividades que requerem um senso de orientação, como dirigir ou se locomover em espaços desconhecidos.

A desorientação temporal e espacial no Alzheimer pode ser preocupante tanto para a pessoa afetada quanto para seus entes queridos.

Pode causar ansiedade, confusão e até mesmo medo de se perder ou não conseguir voltar para casa. É importante ter estratégias de apoio e criar um ambiente seguro para ajudar a pessoa a se orientar no tempo e no espaço, como o uso de calendários visuais, relógios com data e localização GPS em casos mais avançados.

É fundamental lembrar que a desorientação temporal e espacial é um sintoma da doença de Alzheimer e não um reflexo da inteligência ou do caráter da pessoa afetada. Compreender e adaptar-se a essas dificuldades pode ajudar a melhorar a qualidade de vida da pessoa com Alzheimer e proporcionar apoio emocional durante todo o processo da doença.

Mudanças de humor e personalidade

O Alzheimer pode causar alterações de humor, irritabilidade, apatia, ansiedade e depressão. A pessoa também pode apresentar comportamentos inadequados socialmente.

As mudanças de humor podem ocorrer de várias maneiras. A pessoa pode ter oscilações frequentes e imprevisíveis no humor, alternando entre tristeza, irritabilidade, ansiedade e apatia. Essas mudanças repentinas podem ser desencadeadas por pequenas situações ou estímulos e podem ser intensificadas pela confusão e frustração resultantes da perda de memória e da deterioração cognitiva.

Além disso, o Alzheimer também afeta a personalidade da pessoa. Traços de personalidade podem ser amplificados ou alterados significativamente. Por exemplo, uma pessoa extrovertida pode se tornar mais retraída e socialmente isolada. Ela pode perder inibições, levando a comportamentos impulsivos, agressivos ou inadequados. Além disso, a empatia e a capacidade de compreender as emoções dos outros podem diminuir.

É importante entender que essas mudanças de humor e personalidade são resultado direto da progressão da doença de Alzheimer e não são controladas conscientemente pela pessoa afetada. O cérebro está passando por mudanças e disfunções que afetam a regulação das emoções e do comportamento.

Essas mudanças podem ser extremamente desafiadoras tanto para a pessoa com Alzheimer quanto para seus familiares e cuidadores. É importante ter empatia, paciência e compreensão durante esses momentos difíceis. É útil estabelecer uma rotina estruturada, oferecer conforto e segurança emocional, além de buscar cuidados médicos e apoio psicológico adequados.

Os medicamentos e tratamentos disponíveis atualmente para o Alzheimer não revertem completamente as mudanças de humor e personalidade, mas podem ajudar a estabilizar e melhorar esses sintomas em certa medida. É fundamental envolver uma equipe médica especializada e buscar orientação para desenvolver estratégias de manejo eficazes que atendam às necessidades individuais da pessoa com Alzheimer.

Lidar com as mudanças de humor e personalidade no Alzheimer pode ser desafiador, mas com o apoio adequado, amor e compreensão, é possível promover uma melhor qualidade de vida para a pessoa afetada e ajudá-la a enfrentar essas alterações com dignidade e respeito.

Com isso, iremos pontuar quais são as causas do Alzheimer, o que pode ajudar no aparecimento e desenvolvimento da doença.

alzheimer
Alzheimer (Foto: Reprodução/Internet)

Causas do Alzheimer

As causas exatas do Alzheimer ainda são desconhecidas, mas existem diversos fatores que podem contribuir para o seu desenvolvimento, como:

  • Acúmulo de placas de proteína beta-amiloide: No cérebro de pessoas com Alzheimer, observa-se a formação de placas de proteína beta-amiloide. Essas placas interferem na comunicação entre as células nervosas e levam à sua morte.
  • Emaranhados neurofibrilares: Outra característica do cérebro de pacientes com Alzheimer são os emaranhados neurofibrilares, que são emaranhados de proteínas tau anormais dentro das células nervosas. Esses emaranhados interferem na estrutura e função das células nervosas.
  • Genética: Existem certos genes que aumentam o risco de desenvolver Alzheimer. O gene da apolipoproteína E (APOE) é um exemplo. Ter uma cópia do alelo APOE ε4 aumenta o risco de desenvolver a doença, enquanto o alelo APOE ε2 parece ter um efeito protetor.

Estágios do Alzheimer

O Alzheimer é geralmente dividido em três estágios: inicial, intermediário e avançado. Essa divisão ajuda a compreender a progressão da doença e o impacto que ela tem na pessoa afetada.

  • Estágio inicial: Nesse estágio, a pessoa pode apresentar sintomas leves, como perda de memória recente e dificuldade em lembrar-se de palavras. A independência na realização de atividades cotidianas começa a diminuir.
  • Estágio intermediário: Nessa fase, os sintomas tornam-se mais pronunciados. A perda de memória é mais significativa, e a pessoa pode ter dificuldade em reconhecer rostos familiares, além de apresentar desorientação espacial e temporal. O apoio de cuidadores é essencial nessa etapa.
  • Estágio avançado: No estágio avançado do Alzheimer, os sintomas são graves e debilitantes. A pessoa pode perder a capacidade de se comunicar, de reconhecer entes queridos e de realizar atividades básicas, como comer e andar. A assistência de cuidadores é fundamental para a sobrevivência e qualidade de vida.
alzheimer
Mulher com Alzheimer (Foto: Reprodução/Internet)

Fases do Alzheimer

Além dos estágios, o Alzheimer também pode ser dividido em fases para descrever as mudanças funcionais e comportamentais específicas ao longo do tempo. Essas fases podem variar em termos de nomenclatura e características, mas aqui apresentaremos uma descrição geral:

  • Fase pré-clínica: Essa fase ocorre antes dos sintomas clínicos se tornarem evidentes. Durante essa fase, as alterações cerebrais associadas ao Alzheimer já estão em andamento, mas a pessoa não apresenta sinais visíveis da doença.
  • Fase leve: Nessa fase, os sintomas iniciais começam a se manifestar. A pessoa pode apresentar lapsos de memória, desorientação leve e dificuldade em encontrar palavras. Geralmente, ainda é possível manter a independência nas atividades diárias.
  • Fase moderada: Nessa fase, os sintomas do Alzheimer se tornam mais pronunciados. A perda de memória é mais evidente, assim como a dificuldade em comunicar-se e em executar tarefas cotidianas. A assistência e o apoio de cuidadores são necessários.
  • Fase grave: Na fase grave do Alzheimer, a pessoa perde a capacidade de se comunicar efetivamente, de reconhecer entes queridos e de realizar atividades básicas do dia a dia. A dependência total de cuidadores é comum nessa fase.

Tratamento e Cuidados

Embora não haja cura para o Alzheimer, existem opções de tratamento e cuidados que podem ajudar a melhorar a qualidade de vida das pessoas afetadas pela doença. Essas abordagens são direcionadas para o gerenciamento dos sintomas e para o suporte ao bem-estar físico e emocional do paciente. Vamos ver?

  • Medicamentos: Alguns medicamentos podem ser prescritos para ajudar a controlar os sintomas do Alzheimer. Os inibidores da colinesterase, como a donepezila, a rivastigmina e a galantamina, são frequentemente utilizados para melhorar a função cognitiva e a capacidade de memória. Além disso, o memantina é um medicamento que pode ser prescrito para melhorar a comunicação entre as células nervosas.
  • Terapia ocupacional: A terapia ocupacional pode ajudar os pacientes com Alzheimer a manter sua independência nas atividades diárias. Os terapeutas ocupacionais podem oferecer estratégias e treinamentos para melhorar a memória, a organização e as habilidades de resolução de problemas.
  • Suporte emocional: O apoio emocional é fundamental para os pacientes com Alzheimer e seus cuidadores. Grupos de apoio, terapia individual e familiar podem fornecer um ambiente seguro para expressar emoções, compartilhar experiências e obter suporte prático.
  • Estilo de vida saudável: Manter um estilo de vida saudável pode ter um impacto positivo na progressão da doença. Uma dieta balanceada, atividade física regular, estimulação cognitiva, sono adequado e controle de condições médicas subjacentes, como pressão alta e diabetes, são aspectos importantes do cuidado geral.

Portanto, inúmeras pesquisas estão sendo realizadas para que a doença seja tratada da melhor forma possível. Desse modo, veremos quais são os avanços por parte da ciência a respeito do Alzheimer.

Pesquisa e Avanços

A pesquisa sobre o Alzheimer continua a avançar, com o objetivo de entender melhor as causas da doença, desenvolver métodos de diagnóstico mais precisos e encontrar tratamentos mais eficazes. Algumas áreas promissoras de pesquisa incluem:

  • Biomarcadores: Os cientistas estão explorando biomarcadores no sangue e no líquido cefalorraquidiano que possam ser indicadores precoces do Alzheimer. Isso poderia ajudar no diagnóstico precoce e na identificação de pessoas em risco antes que os sintomas se manifestem.
  • Terapias direcionadas: Estão sendo desenvolvidos medicamentos e terapias que visam especificamente as placas de proteína beta-amiloide e os emaranhados neurofibrilares. Essas abordagens podem ajudar a retardar a progressão da doença.
  • Intervenções não farmacológicas: Além dos medicamentos, estão sendo estudadas intervenções não farmacológicas, como estimulação cognitiva, exercícios mentais, musicoterapia e arte-terapia, como formas complementares de tratamento.

Apesar de realizadas inúmeras pesquisas e a ciência ter avançado tanto no tratamento da doença, o Alzheimer pode chegar mais cedo para algumas pessoas.

Desse modo, iremos abordar as causas disso ocorrer e como tratar o Alzheimer precoce.

Alzheimer Precoce: Uma Variação Desafiadora da Doença

O Alzheimer precoce, também conhecido como doença de Alzheimer de início precoce ou de início precoce familiar, é uma forma menos comum da doença de Alzheimer que afeta indivíduos com menos de 65 anos de idade.

Embora compartilhe características com a forma mais comum da doença, o Alzheimer precoce apresenta algumas particularidades distintas. Neste artigo, exploraremos o que é o Alzheimer precoce, seus sintomas, causas, diagnóstico e os desafios específicos enfrentados pelos indivíduos afetados por essa variante.

Como ocorre o Alzheimer Precoce

O diagnóstico da doença precoce é uma forma rara do Alzheimer, que se manifesta em indivíduos com menos de 65 anos de idade. Geralmente, ocorre entre os 40 e 50 anos, embora casos mais raros possam ocorrer até mesmo na faixa dos 30 anos. Essa forma precoce da doença pode ser classificada em dois tipos: Alzheimer precoce familiar e Alzheimer precoce esporádico.

Assim sendo, veja abaixo cada um desses casos:

  • Caso Familiar: Essa forma de Alzheimer precoce está associada a mutações genéticas hereditárias e é transmitida de geração em geração. As mutações em genes como o APP (precursor da proteína beta-amiloide), PSEN1 (presenilina 1) e PSEN2 (presenilina 2) estão frequentemente envolvidas nessa variante. As pessoas que herdam essas mutações têm uma probabilidade maior de desenvolver a doença em idade mais jovem.
  • Caso Esporádico: Essa forma do Alzheimer precoce ocorre sem uma causa genética conhecida. Embora não haja uma mutação específica identificada, fatores genéticos e ambientais podem desempenhar um papel na sua ocorrência. Acredita-se que uma combinação de múltiplos fatores genéticos e ambientais contribua para o desenvolvimento dessa variante.

Sintomas do Alzheimer Precoce

O Alzheimer quando ocorre precocemente tem os sinais semelhantes aos da forma mais comum da doença, mas podem ser mais difíceis de serem reconhecidos em indivíduos mais jovens. Inicialmente os sinais da doença podem ser vagos ou atribuídos a outras condições, o que pode atrasar o diagnóstico. Os sintomas comuns incluem:

  • Problemas de memória: A perda de memória é um dos sintomas mais notáveis do Alzheimer precoce. Pessoas afetadas podem ter dificuldade em lembrar eventos recentes, informações importantes ou datas significativas.
  • Dificuldades cognitivas: A capacidade de pensar, raciocinar e resolver problemas pode ser afetada. Os indivíduos podem ter dificuldade em seguir instruções complexas, em planejar ou em executar tarefas que antes realizavam com facilidade.
  • Mudanças de humor e comportamento: Alterações de humor, irritabilidade, depressão e ansiedade são sintomas comuns do Alzheimer precoce. Os indivíduos podem apresentar comportamentos atípicos, como agitação, apatia ou agressividade.
  • Desorientação espacial e temporal: A pessoa pode se perder em lugares familiares, ter dificuldade em acompanhar o tempo e as datas, e até mesmo esquecer sua própria localização atual.
  • Problemas de linguagem: Dificuldades em encontrar palavras adequadas, em compreender ou em expressar ideias podem ser observadas em indivíduos com Alzheimer precoce.

Causas do Alzheimer Precoce

As causas do Alzheimer precoce são complexas e ainda não estão completamente compreendidas. No entanto, algumas das principais causas e fatores de risco incluem:

  • Fatores genéticos: No caso do Alzheimer precoce familiar, mutações genéticas hereditárias desempenham um papel importante. As mutações nos genes APP, PSEN1 e PSEN2 podem levar à produção e acúmulo de placas de proteína beta-amiloide no cérebro, causando a degeneração das células nervosas.
  • Fatores ambientais: Além dos fatores genéticos, fatores ambientais também podem desempenhar um papel no desenvolvimento do Alzheimer precoce esporádico. Exposição a toxinas ambientais, traumas na cabeça e estilo de vida pouco saudável podem aumentar o risco de desenvolvimento dessa variante.

Diagnóstico e Desafios

O diagnóstico do Alzheimer precoce pode ser um desafio, principalmente devido à faixa etária incomum em que ocorre. Os médicos geralmente levam em consideração a história familiar, os sintomas clínicos, a avaliação cognitiva e testes genéticos para confirmar o diagnóstico.

Uma das principais dificuldades enfrentadas pelos indivíduos com Alzheimer precoce é o impacto nas responsabilidades familiares, na carreira e nas atividades cotidianas.

Muitos deles estão em uma fase ativa da vida, cuidando de filhos, trabalhando e assumindo várias responsabilidades. O diagnóstico precoce e o planejamento cuidadoso podem ajudar na adaptação dessas responsabilidades para garantir um ambiente de apoio adequado.

Além disso, o Alzheimer precoce também pode apresentar desafios únicos devido à falta de conscientização e ao estigma associado à demência em indivíduos mais jovens. A obtenção de apoio emocional, educacional e social pode ser particularmente importante para esses pacientes e suas famílias.

O Alzheimer em si, é uma doença devastadora que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Compreender seus sintomas, causas, estágios e fases é fundamental para fornecer um diagnóstico precoce e um cuidado adequado aos pacientes. Embora não haja cura, os tratamentos disponíveis e os cuidados adequados podem melhorar a qualidade de vida dos indivíduos com a doença.

Siga-nos nas nossas redes sociais e não perca nenhuma novidade em primeira mão!

Temos uma super novidade! Agora também lançamos um canal incrível no YouTube, recheado de entrevistas e bate-papos exclusivos para os nossos seguidores.

Clique aqui e aperte o botão " Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

Quer ficar por dentro de tudo em primeira mão? Junte-se ao nosso canal do MixMe no WhatsApp e mergulhe no mundo do entretenimento 24 horas por dia! Participe e compartilhe as nossas notícias!