Mônica Martelli toma atitude com o filme ‘Minha Vida em Marte 2’

Minha Vida em Marte
Minha Vida em Marte (Foto: Divulgação)

Mônica Martelli retomou o projeto que foi engavetado após a morte precoce de Paulo Gustavo, causada pela covid-19. A atriz dará sequência ao filme ‘Minha Vida em Marte’ e lançará em breve o filme número 2, mesmo sem o humorista.

Para o novo filme, Mônica está reescrevendo o roteiro e a personagem irá enfrentar os mesmos problemas que teve, o luto do amigo. No filme, Fernanda sofrerá com a morte de Aníbal, personagem interpretado por Paulo Gustavo.

Em entrevista ao jornal O Globo, Mônica revelou o motivo de tomar a iniciativa e reescrever o filme: “Depois que o Paulo Gustavo se foi, eu tive certeza de que nunca mais ia fazer o filme. Mas teve um dia que, chegando em casa, pensei: ‘Tenho uma missão na vida, sempre escrever aquilo que eu passo. Vou fazer essa amiga sofrendo a dor desse luto’. Aí comecei a fazer roteiro”, contou.

Pela falta do amigo, a atriz declarou que sua vida perdeu um pouco de sentido: “Minha vida se divide entre antes e depois do Paulo. Nunca mais ri igual. Ele me empoderava e confiava muito em mim. A gente trocava muito, tinha vários planos juntos”.

Questionada pelo motivo de ‘Minha Vida em Marte 2’ ter sido engavetada, Mônica Martelli declarou que não via sentido em dar sequência no filme sem Paulo Gustavo.

“Eu e Paulo tínhamos feito todo o roteiro. A história se passava em Nova York. Por isso que engavetei. Não tinha condição de fazer”, confessou.

O filme segue sendo reescrito pela atriz e as gravações devem se iniciar no próximo ano. Susana Garcia, irmã de Mônica, continua sendo a diretora do longa.

Estupro

Recentemente, Mônica revelou em entrevista que sofreu um estupro na adolescência por parte de um namorado e só mais tarde se deu conta do horror que viveu.

Quando eu entendi, de pouco tempo para cá, que teve essa conscientização maior, que estupro é simplesmente você não querer, se você fala não e ele forçar é estupro, aí eu falei: então eu fui estuprada. Não queria, foi essa luta corporal. Acabou que rolou, foi legal, era apaixonada pelo cara, mas não queria, não queria naquele dia, naquele lugar”,  confessou.