Feminejo: New York Times usa termo pela 1ª no obituário de Marília Mendonça

A morte da cantora Marília Mendonça, na última sexta-feira (05), ganhou repercussão internacional. O The New York Times, um dos maiores jornal do mundo, usou a palavra “feminejo” para ressaltar o poder da cantora no sertanejo, segmento musical dominado por homens no Brasil.

publicidade
Marília Mendonça deu visibilidade para o feminejo
Morte de Marília Mendonça tem repercussão internacional e jornal The New York Time usa os termos “Queen of Suffering” e “feminejo” (Foto: Divulgação)

O jornal nova-iorquino também usou a expressão “Queen of Suffering” – uma tradução para o inglês do termo “Rainha da Sofrência”, título que a cantora ganhou por conta das suas letras que falam de amores frustrados. O perfil New New York Times, no Twitter, repercutiu a palavra “feminejo”, usada pela primeira vez, no jornal.

publicidade

Além do New York Times, a notícia repercutiu em diversos veículo como People, Billboard, nos Estados Unidos, e Clarín, na Argentina.

Rainha da Sofrência e precursora do feminejo

Com letras sobre desilusões amorosas, superação de relacionamentos abusivos, autoestima feminina e apoio entre mulheres, Marília Mendonça trouxe o termo Feminejo para o cenário desse estilo musical ainda tão masculino.

Apesar de ser uma das principais representantes dessa tendência, Marília sucedeu várias vozes femininas que começaram a ocupar o sertanejo brasileiro no início da década de 1980, como Roberta Miranda, Irmãs Barbosa e Irmãs Galvão.

publicidade

A “Rainha da Sofrência” compôs e cantou várias músicas que inspiraram diversas mulheres do sertanejo a tomarem os palcos e enfrentarem o machismo ainda muito ligado a esse meio.

Há até uma página dedicado ao Feminejo na Wikipédia , a enciclopédia online mais famosa da internet. A página define o termo como da seguinte forma:

publicidade

“Um subgênero da música sertaneja que enfatiza as mulheres, seja pelas temáticas femininas ou pela atuação de cantoras e compositoras. Uma de suas maiores representantes foi a cantora, compositora e instrumentista Marília Mendonça. Maiara & Maraísa, Simone & Simaria e Naiara Azevedo são outros nomes do subgênero”.

Questionada pela Folha de São Paulo sobre ser vista como uma das percussoras do Feminejo, Marília Mendonça comentou: “Sou mulher, me depilo, cuido da minha casa, então vão tirar minha carteira de feminista. (…) Mas a base do movimento, de que a mulher pode ser o que ela quiser, é essa bandeira que eu levanto. Não a modinha.”

O que você achou? Siga @mixmebrasil no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

Marcelo Argôlo

Marcelo Argôlo é jornalista e pesquisador musical. Autor do livro Pop Negro SSA: cenas musicais, cultura pop e negritude, atua no mercado de comunicação e jornalismo musical desde 2012. Nesse período, teve passagens por redações, agências e assessorias. Atualmente se dedica ao Mix Me e a projetos de produção de conteúdo sobre música pop e negritude.

Veja mais ›
Fechar