Elza Soares lança álbum com gravações esquecida há mais de 20 anos

O álbum inédito “Elza Soares & João de Aquino”, uma parceria da cantora com o violonista, foi lançado e já está disponível em todas as plataformas digitais. A nova produção é um resgate de gravações da década de 90 e, como poucas outras na trajetória da artista, revela genuinamente seu estilo.

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

publicidade
Elza Soares
Elza Soares lança álbum com gravações esquecida há mais de 20 anos
(Créditos: Hipolito Pereira)

Fruto de uma parceria de longa data e de grande intimidade musical, o novo projeto traz o espírito de Elza. João de Aquino é companheiro de longa data da cantora na cena, e foi produtor de alguns de seus discos mais importantes, como “Negra Elza, Elza Negra”. Além disso, o artista também acompanhou Elza nos palcos em diversos shows, desde a década de 70, demonstrando vigor e energia compatíveis com os da cantora.

publicidade

“Foi chegar no estúdio e deixar fluir. Comigo e João sempre foi assim. Acho que dá para perceber como estávamos à vontade no estúdio, não é mesmo? Uma alegria o público conhecer esse álbum. Tô empolgada”, declara Elza

Agora, o florescer dessa amizade presenteia o público com “Elza Soares & João de Aquino”. O álbum foi gravado em uma única sessão de estúdio, realizada em na segunda metade da década de 90.

Para o público, o novo projeto é mais uma oportunidade de conhecer a cantora, visto que ele é permeado com sua musicalidade e estilo, possuindo o repertório e uma maneira de cantar que Elza, de fato, aprecia.

publicidade

“O violão, patrono do som, e Elza com suas interpretações perfeitas fizeram desse registro algo único”, define melhor João de Aquino.

Assim, as faixas que compõem os álbuns são grandes clássicos de diferentes fases da música brasileira, quase como se contassem sua história.

publicidade

Dentre eles, além das próprias músicas de Elza, temos a valsa “Eu sonhei que tu estavas tão linda”, dos anos 40; o samba “Antonico”, dos anos 50; a épica “Hoje”, de Taiguara, nos anos 60; a existencialista “Juventude transviada” dos anos 70; e “Como uma onda”, chegando nos anos 80.

O que você achou? Siga @mixmebrasil no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

Milena Cerqueira

Formada pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP), tenho interesse e experiência em jornalismo cultural, comunicação interna e assessoria de imprensa. Na área acadêmica, realizei pesquisa referente ao trabalho de conclusão de curso nas áreas de música e cultura pernambucana.

Veja mais ›
Fechar