Eduardo Costa é denunciado por estelionato pelo Ministério Público

O cantor Eduardo Costa foi denunciado pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) nesta segunda-feira (29), por estelionato. A ação foi realizada na 11ª Vara Criminal da Comarca de Belo Horizonte, mas ainda não foi analisada pela Justiça local.

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

publicidade
Cantor Eduardo Costa (Reprodução)
Cantor Eduardo Costa (Reprodução)

Segundo informações obtidas pelo portal G1, o caso corre na justiça desde 2017, quando ele tentou negociar com um casal um imóvel de luxo na região do região do Capitólio, no Sul de Minas, mas esta propriedade enfrentava problemas com o Ministério Público Federal (MPF).

publicidade

A mansão, que estava avaliada em entre R$ 6,5 milhões e R$ 7 milhões, era alvo de uma ação de reintegração de posse com pedido de demolição de construção ajuizada por Furnas Centrais Elétricas.

Ainda conforme a publicação, o sertanejo chegou a prestar depoimento sobre o caso em 2018 no Departamento Estadual de Investigação de Fraudes, em Belo Horizonte, no qual afirmou que não agiu com má-fé e que o casal sabia das condições do terreno.

publicidade

Em sua defesa, o advogado do casal, Arnaldo Soares Alves, afirmou que os compradores não sabiam das condições do imóvel, se sentindo lesados pelo artistas.

Eduardo Costa envolvido em outro caso

Vale destacar que esta não é a primeira vez que Eduardo Costa é alvo de problemas judiciais envolvendo venda de Imóveis. Em agosto deste ano o artista foi acusou o o ex-jogador de futebol Fábio Júnior Pereira de calote, após tentar vender um imóvel avaliado em R$ 10 milhões.

Fábio teria comprado um apartamento na mão de Eduardo no bairro Bandeirantes, em Belo Horizonte, e logo em seguida percebeu que havia feito um mal negócio.

publicidade

Ele, que também é comentarista esportivo da Globo Minas, disse que foi obrigado a pagar uma multa de R$ 1 milhão de rescisão de contrato mesmo sem nunca ter chegado a entrar no apartamento.

“Tive a intenção de comprar o imóvel, assinei o contrato, e depois meus advogados me alertaram que haviam algumas cláusulas que não eram boas, e também que o imóvel poderia ter problemas na Justiça. Assinei sem ter noção disso, e conversamos para ser feito um desacordo informal. Achei que estava tudo bem. Se eu tivesse feito um distrato formal, na Justiça, não estaria passando por isso”, afirmou Fábio ao portal Uol.

O que você achou? Siga @mixmebrasil no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

publicidade

Formado em jornalismo pela UNIME Salvador, possui passagem por rádio, jornal e trabalha com público de internet desde 2016. Atualmente tem focado em projetos de audiovisual, cultura pop e celebridades.

Veja mais ›
Fechar