Barbie: empresa dona da marca aciona Rebecca por uso indevido

A cantora Rebecca está enfrentando um baita problema por conta do lançamento do single Barbie, uma parceria com as amigas Pocah, Lexa e Danny Bond. Divulgada na última sexta-feira (14), a faixa pode chegar a ser retirada do ar.

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

publicidade
MC Rebecca (Reprodução)
MC Rebecca (Reprodução)

Acontece que a música leva o nome da boneca mais conhecida do mundo, o que gerou um alerta na Mattel, empresa detentora da marca. Além disso, Rebecca chega a exibir o brinquedo em trechos do clipe.

publicidade

Em comunicado enviado para a coluna Leo Dias, do portal Metrópoles, a equipe de Rebecca afirmou que não houve pedido para que o vídeo fosse retirado do ar, mas sim que houvesse alteração na logo da produção.

Vale lembrar que a faixa é bem ousada e traz as cantoras fazendo uma coreografia super sensual, além de uma letra bastante sugestiva sobre a bonequinha preferida mundialmente.

publicidade

“Ela não é mais princesa e está cheia de opção. A Barbie está diferente e só quer catucadão”, diz a letra da música. “I’m a fucking black Barbie que chegou pra te ensinar. Empurra essa pilha pra boneca funcionar”, diz outro trecho da canção.

Rebecca tentou evitar problemas

Antes do lançamento da canção, Rebecca deu uma entrevista para o jornal O Globo, onde falou sobre os planos envolvendo o lançamento. A artista, inclusive, disse que antes de divulgar a faixa fez questão de fechar um acordo com à Mattel, para se prevenir futuros problemas.

“Deus me livre ser processada pela Barbie. Quando criança, eu sempre quis ser a boneca, mas não existiam versões preta, crespa ou cacheada. Todas eram louras, lisas e extremamente magras”, disse, completando:

publicidade

A funkeira ainda disse que a intenção com o lançamento de Barbie é realmente mostrar a diversidade que a bonequinha pode ter nos tempos atuais, como até mesmo uma transexual. “No clipe, mostro que a beleza não é uma via de mão única. Temos meninas trans, funkeiras, altas, gordas. É uma desconstrução de nosso imaginário. Gravamos em novembro, nas ruas do Rio, e esperei o momento certo para colocar o som no mercado. Dois mil e vinte e dois será o meu ano”, disse.

O que você achou? Siga @mixmebrasil no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

Formado em jornalismo pela UNIME Salvador, possui passagem por rádio, jornal e trabalha com público de internet desde 2016. Atualmente tem focado em projetos de audiovisual, cultura pop e celebridades.

Veja mais ›
Fechar