ANEEL toma decisão sobre a bandeira tarifária da luz para março

ANEEL definiu a bandeira tarifária da conta de luz para março (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
ANEEL definiu a bandeira tarifária da conta de luz para março (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) definiu o valor da taxa extra que o consumidor irá pagar sobre a conta de luz em março. O órgão do Governo Federal bateu o martelo na semana passada e decidiu sobre o preço que será praticado para todos os consumidores do país.

A decisão foi de que no próximo mês a bandeira tarifária da energia elétrica dos consumidores ligados ao Sistema Interligado Nacional (SIN) continuará verde em março. Ou seja: não terá nenhuma taxa sobre o valor da luz. De acordo com a ANEEL, não haverá custo adicional por conta das condições favoráveis para a geração de energia no país.

A conta de energia dos brasileiros está sem taxas extras desde que se encerrou a bandeira de escassez hídrica. O período durou vários meses, entre setembro de 2021 e abril de 2022.

Segundo o órgão do governo, a bandeira verde reflete a melhoria dos níveis dos reservatórios das hidrelétricas, beneficiados com o período de chuvas.

A bandeira tarifária da conta de luz

Criado em 2015, o mecanismo das bandeiras tarifárias tem como objetivo levar transparência ao consumidor sobre o custo real da energia. Por meio desse sistema, a ANEEL sinaliza aos consumidores os custos reais da geração de energia elétrica no país.

As cores das bandeiras (verde, amarela ou vermelha) indicam se a energia vai custar mais ou menos em função das condições de geração de eletricidade. O impacto na conta de luz acontece quando as hidrelétricas estão com baixos níveis e as termoelétricas (que tem custo maior) são acionadas.

O custo das bandeiras tarifárias

Bandeira verde: condições favoráveis de geração de energia. A tarifa não sofre nenhum acréscimo;
Bandeira amarela: condições de geração menos favoráveis. A tarifa sofre acréscimo de R$ 0,01874 para cada quilowatt-hora (kWh) consumidos;
Bandeira vermelha – Patamar 1: condições mais custosas de geração. A tarifa sofre acréscimo de R$ 0,03971 para cada quilowatt-hora kWh consumido.
Bandeira vermelha – Patamar 2: condições ainda mais custosas de geração. A tarifa sofre acréscimo de R$ 0,09492 para cada quilowatt-hora kWh consumido.
A quem se aplica?

Todos os consumidores das distribuidoras estão no Sistema de Bandeiras Tarifárias, com exceção daqueles localizados em sistemas isolados.